Terça, 19 de Outubro de 2021 14:19
31°

Pancada de chuva

Virgem da Lapa - MG

Geral Minas Gerais

Governo de Minas quer Palácio das Mangabeiras aberto ao público a partir de 2022

Após CasaCor, espaço projetado por Oscar Niemeyer será cedido para eventos e visitação

16/09/2021 18h05
Por: Redação Fonte: Secom Minas Gerais
Gil Leonardi / Imprensa MG
Gil Leonardi / Imprensa MG

O Palácio das Mangabeiras, antiga residência oficial do Governo de Minas, será transformado em um equipamento público após a 26ª edição da Casa Cor, mostra de decoração pela segunda vez sediada no espaço e que fica em cartaz até 17/10.

Com o anúncio, a intenção do governador Romeu Zema é permitir que o público conheça e usufrua do espaço, que também conta com projeto paisagístico de Burle Marx. De acordo com Zema, o palácio será voltado para receber eventos e visitação pública.

"Suponho que 99% do público que visita a Casa Cor não conhecia o Palácio das Mangabeiras antes. E penso que nada justifica alguém que está à frente de um Estado com seriíssimos problemas financeiros morar numa estrutura que onera o povo que muitas vezes passa dificuldades", afirma Zema.

O governador de Minas Gerais nunca chegou a morar no imóvel, residência oficial dos chefes do executivo. Romeu Zema reside em casa alugada e custeada com recursos próprios desde que assumiu o cargo. "Estamos colocando um equipamento público à disposição da população e não para ostentação e criação de privilégios", defende.

Economia e eficiência

A Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge)administra o Palácio das Mangabeiras, por meio de convênio, desde 2019, por determinação do governador Romeu Zema, com o objetivo de implementar ações que agreguem eficiência na administração do espaço, aproveitamento do imóvel e boa gestão dos recursos públicos. A economia para o Governo do Estado, por não utilizar o local, é de R$ 3,3 milhões por ano.

Agenda permanente

Mateus Quintela, diretor de administração e finanças da Codemge, destaca que a abertura perene do espaço era uma das prioridades da atual gestão.

"O Palácio das Mangabeiras é um espaço único e relevante que, fechado, deprecia e gera despesas, além de não criar nenhum valor para a população mineira. Diversas ações estão sendo pensadas em colaboração com a Multicult e estamos muito próximos de chegar ao modelo de utilização do espaço que o valorizará, além de neutralizar despesas atuais", observa.

Quintela afirma que a ideia é promover uma agenda permanente de eventos para que, ao longo do ano, os mais diversos públicos possam usufruir do espaço.

A Multicult Promoções, organizadora da CasaCor Minas, é a atual gestora do espaço e responde pelos gastos com manutenção. A empresa promotora deste e de outros eventos atua para empreender projetos nas áreas de cultura, arquitetura, design, gastronomia e urbanismo, e iniciativas que contribuam para a preservação da memória e da identidade urbana.

Arte

O secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, ressalta a iniciativa do governador de abrir espaços que serão ressignificados pelo público e pelos artistas.

"Realmente é um exemplo destinar um palácio, um palácio residencial, para uso coletivo. Nada melhor que a arte e a cultura fazendo desse uso coletivo sinal dos novos tempos", reforça.

Ainda segundo o secretário, a ação representa o início de um novo tempo para o Palácio das Mangabeiras. “Para além da Casa Cor, que o espaço possa ser cada vez mais objeto de visitação e estar cada vez mais próximo às pessoas”, projeta.