Domingo, 11 de Abril de 2021 18:22
33°

Poucas nuvens

Virgem da Lapa - MG

Brasil Brasil

'Vamos chorar até quando?', diz Bolsonaro ao elogiar trabalho no campo

Presidente esteve no município de São Simão (GO) para inaugurar trecho de 172 km da Ferrovia Norte-Sul

04/03/2021 13h50
Por: Redação Fonte: R7
Em 2019, Bolsonaro e ministro Tarcísio de Freitas assinaram contrato para trecho da obra - (Foto: Alan Santos/ PR 31-07-2019)
Em 2019, Bolsonaro e ministro Tarcísio de Freitas assinaram contrato para trecho da obra - (Foto: Alan Santos/ PR 31-07-2019)

O presidente Jair Bolsonaro inaugurou, nesta quinta-feira (4), um trecho de 172 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul. Em vez de falar de transporte ou da obra, Bolsonaro usou o evento para atacar quem defende medidas de restrição na economia para o combate à pandemia de covid-19.

Ao elogiar o trabalho dos agricultores, que não pararam mesmo na pandemia, Bolsonaro disse que o país tem que enfrentar seus problemas: "Chega de frescura e de mimimi, vamos ficar chorando até quando?"

Ele também desafiou os governadores. "Repensem a política de fechar tudo, o povo quer trabalhar", declarou.

Segundo Bolsonaro, é preciso respeitar os idosos e declarou que "o tratamento errado do covid é muito mais danoso do que o próprio vírus". Em seguida, afirmou: "Vamos tratar da economia e do próprio vírus. Lamentamos qualquer morte no Brasil."

O presidente chamou de "frescura" fechar o comércio nos municípios e afirmou que atividade essencial é toda aquela que faz o chefe de família levar dinheiro para dentro de casa. "Todos nós vamos sofrer se não tomarmos a medida certa, mas com coragem", defendeu.

Ele também criticou a criação de novas reservas para os índios. "Já são 14% do nosso território demarcado como terra indígena", disse. Ele chamou de "absurda" a demarcação para os yanomamis.

"Que imprensa é essa nossa que transformou-se num partideco político de esquerda", atacou. "Eu quero uma imprensa forte, cada vez mais livre", disse. 

As obras da ferrovia, que deve ligar as regiões Sudeste e Norte do país, passando pelo Sudeste, atravessa 10 Estados.

 

 

Ministros

 

 

O ministro das Comunicações, Fabio Faria, repetiu os discursos de Bolsonaro dizendo que os Estados receberam dinheiro do governo federal, mas não acreditaram na segunda onda da pandemia.

Faria também criticou o desmonte dos hospitais de campanha pelas administrações estaduais. "Se fosse o presidente que fizesse isso, iriam chamá-lo de negacionista", disse para defender o chefe.

O ministro exaltou o Brasil ser o sexto país do mundo em número absoluto de vacinações e afirmou que as aglomerações na campanha política, nas festas de fim de ano e no Carnaval pelo país foram responsáveis pelo avanço da doença. "Mas se o presidente sair e cumprimentar 10 pessoas, aí cai o mundo. [...] Vamos começar a falar bem do Brasil", pediu Fabio Faria. 

Na sequência, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que não há problemas na economia e que o governo vai fornecer 140 milhões de doses de vacina até o meio do ano. "Por que nós não vamos confiar no Brasil?", perguntou.